Exportação

Exportação direta e indireta: entenda as diferenças!

abril 16, 2019
Tempo de leitura 4 min

A atividade empresarial é uma tarefa que enseja inúmeros desafios. Mesmo para os negócios já consolidados, dar um novo passo em direção ao crescimento requer planejamento e a escolha das estratégias certas para não colocar a sua sobrevivência em risco.

Ao apostar nas vendas internacionais, por exemplo, o gestor vai se deparar com a exportação direta e indireta, mas se ele não sabe qual delas é a forma mais vantajosa de fazer com que seus produtos ou serviços cheguem em outro país, o resultado final pode não alcançar as expectativas.

No intuito de ajudá-lo nessa missão, elaboramos um post para que você entenda de uma vez por todas as principais diferenças entre esses dois tipos de exportação. Confira a seguir!

O que é a exportação direta e indireta e qual a principal diferença entre elas?

A exportação direta consiste na modalidade em que a empresa pratica todos os atos de comércio exterior sem a intervenção de terceiros, ou seja, desde o processo de fabricação até o embarque aduaneiro, o controle das operações é de responsabilidade da exportadora.

É, portanto, uma modalidade que exige conhecimentos específicos sobre o transporte internacional e as legislações aduaneiras. Nesse cenário, o gestor vai lidar com mais burocracias e um aporte maior de recursos para garantir a eficiência da sua logística.

Já a exportação indireta se desenvolve pela contratação de uma empresa ou de um profissional terceirizado, que atuam com a incumbência de executar os procedimentos necessários.

São 3 tipos de intermediários que atuam com a exportação indireta:

  1. as empresas comerciais, que negociam as vendas tanto no mercado externo como no interno;
  2. as trading companies especializadas em operações de importação e exportação;
  3. os consórcios de exportadores.

Quais as vantagens e desvantagens da exportação direta?

O primeiro benefício ao adotar essa espécie de exportação é o fortalecimento da marca no mercado externo. Quando a empresa atua em toda a logística, naturalmente está impulsionando a sua visibilidade com a estrutura de exportação — as estratégias de marketing internacional, que são indispensáveis, permitem a expansão da sua carteira de clientes.

Ademais, uma vez que o exportador não conta com o auxílio de intermediários, as possibilidades de lucros são maiores, pois além de não ter o custo adicional do serviço, ele pode conseguir parcerias bem interessantes e levar quantidades cada vez maiores.

A desvantagem desse sistema é que inicialmente requer um investimento maior em capital humano, bem como o custo operacional — é necessário ter um departamento próprio para esta função, que seja capacitado para lidar com todas as burocracias envolvidas.

Quais as vantagens e desvantagens da exportação indireta?

O custo reduzido é sem dúvidas um dos principais atrativos da exportação indireta, especialmente para quem vai iniciar nesse mercado, tendo pouca experiência e um orçamento mais apertado.

Contar com o auxílio de quem já tem expertise no assunto vai contribuir não somente para a prestação de um serviço eficiente e com menos dores de cabeça com os trâmites legais, mas também pode abrir os olhos para exportações de risco.

Como desvantagem, a exportação indireta apresenta o fato de a empresa não conquistar uma presença forte lá fora, porque não será internacionalizada e isso atrapalha os planos de crescimento — a sua empresa não ganha visibilidade nem está se capacitando para dominar com excelência a prestação desse serviço.

Como saber qual a melhor opção para a minha empresa?

Como vimos, ambos os tipos de exportação apresentam pontos positivos e negativos, então o que vai determinar a melhor escolha para uma empresa é o seu perfil e as circunstâncias em que ela se encontra.

Para quem está iniciando e não tem uma bagagem grande de experiência, talvez a alternativa ideal seja apostar na indireta. Mas para quem já tem um grau de maturidade maior e recursos financeiros disponíveis, a direta se mostra vantajosa.

Entender sobre a exportação direta e indireta é a peça-chave para quem almeja operar no mercado internacional. Apesar de serem dois caminhos distintos, uma das alternativas se encaixará melhor aos objetivos do seu empreendimento. Lembre-se de que essa decisão pode fazer toda a diferença nos seus resultados.

Gostou do artigo? A abordagem do tema foi importante para esclarecer as suas dúvidas? Compartilhe sua opinião conosco, deixe aqui seu comentário!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário